MUNICÍPIOS

Mãe das duas crianças que sofreram queimaduras, devido à explosão de celular, diz que a filha não estava com o celular ligado e nem ouvindo música

Gilvânia disse, em um áudio gravado para o NQ, que ‘o celular estava debaixo do travesseiro da filha, com o fone de ouvido conectado ao aparelho, quando ocorreu a explosão que provocou o incêndio’.


icon fonte image

  Fonte: Por Helio Fialho - Da Redação

Gilvânia com o filho G.P.S., de 2 anos e 7 meses...

Gilvânia com o filho G.P.S., de 2 anos e 7 meses...   Foto: Reprodução/Cortesia/Arquivo Gilvânia dos Santos

Postado : 19/07/2021

As duas crianças que sofreram queimaduras, devido ao incêndio provocado pela explosão de um aparelho celular, às primeiras horas da madrugada do último dia 15, no Povoado Santiago, zona rural de Pão de Açúcar, estão apresentando melhoras consideráveis.

A mãe do menino G.P.S., de 2 anos e 7 meses, e da menina G.S.J., de 10 anos, disse à reportagem do Notícia Quente, quando foi contatada por meio de WhatsApp, nesta segunda-feira(19) que “os ferimentos do meu bebê estão cicatrizando aos poucos, enquanto minha filha está reagindo bem”, disse Gilvânia dos Santos, que continua fazendo companhia ao filho, que  encontra-se internado no Hospital de Emergência Dr. Daniel Hoully, na cidade de Arapiraca.

Já a menina G.S.J., que sofreu queimaduras, de 2º e 3º graus, em mais de 40% do corpo, continua internada na UTI do Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, sem previsão de alta.

Segundo a mãe, a opção em dar assistência ao filho G.P.S deve-se ao fato de o menino ser mais dependente por causa da idade. “Eu gostaria muito de pode me dividir para dar assistência, também, à minha filha que está internada em Maceió, porém, não posso”, disse a genitora.

Segundo informações de Gilvânia, a menor passa a maior parte do tempo dormindo (sedada), para aliviar as dores provocadas pelas lesões. A madrinha da menina, a professora Deusdete Assis Gomes, é a pessoa que está fazendo companhia à menina, devido a impossibilidade da mãe.

As crianças estavam dormindo

Questionada sobre se a menina estava ouvindo música na hora em que ocorreu a explosão celular, segundo comentários nas redes sociais, a mãe das crianças, mais uma vez, desmentiu a notícia. Em uma mensagem enviada através de áudio, Gilvânia explicou que a filha não estava ouvindo música no celular e com o aparelho ligado na tomada, no momento da explosão. Ela disse, ainda, que o celular estava debaixo do travesseiro da filha, com o fone de ouvido conectado ao aparelho, quando ocorreu a explosão, no momento em que as duas crianças estavam dormindo no quarto, provocando, assim, o incêndio. Ouça o áudio abaixo.

Campanha continua

Enquanto as duas crianças aos poucos se recuperam, Gilvânia dos Santos, apesar de mostrar no semblante muita tristeza, expressa gratidão a Deus, pelo livramento dado aos filhos, e às pessoas que têm ajudado sua família, de todas as formas.

E, devido aos prejuízos materiais, físicos e psicológicos, causados pelo incêndio, a campanha para ajudar a esta família continua e não tem prazo para encerrar. Os danos foram grandes, inclusive, a casa, a fiação, os móveis e as roupas foram atingidos pelo fogo. Veja abaixo as imagens da destruição.