BLOGS

Globo engana Bobo – Até quando?!

O telejornalismo da Rede Globo já perdeu milhões de telespectadores – e perderá muito mais – porque tornou-se patético e sem credibilidade, chegando a ser alvo de piadas e memes nas redes sociais.


  Foto: Reprodução/Helio Fialho/Redes Sociais

Postado : 20/03/2021   /   por Redação

ARTIGO

 

Não assusta-me quando a mídia sensacionalista, liderada pela Rede Globo,  noticia que não existe leitos desocupados nos hospitais públicos do Brasil. Para a maioria dos brasileiros, a insuficiência de leitos em hospitais públicos não é novidade. Sempre foi assim. Por que agora, em plena pandemia da Covid-19, com a prática de usurpação de recursos financeiros específicos, seria diferente?

Também não assusta-me quando o Governo Federal anuncia que liberou mais de R$ 63 bilhões de reais  para os estados (governadores) e os municípios (prefeitos) investirem na Saúde Pública, principalmente neste período de pandemia do novo coronavírus  – e que uma boa parte desses recursos foi subtraída por muitos políticos gestores larápios. Em nosso gigante país, não é de hoje que governadores e prefeitos desviarem dinheiro público e superfaturam preços de mercadorias e serviços, objetivando juntarem fortunas à custa do dinheiro público. É bem possível que a respeitada Polícia Federal, de tantos casos registrados, já tenha perdido a conta do grande número de prisões efetuadas de governadores, secretários e prefeitos envolvidos em esquemas  vergonhosos de desvio de verbas, que deveriam ser aplicadas em saúde, educação, assistência social e outros setores em prol da população.

Não fico espantado ao saber que o STF julga e solta bandidos, traficantes, políticos ladrões e integrantes de organizações criminosas – porque são antigos os esquemas de corrupção e vendas de sentenças em tribunais superiores da Justiça brasileira. E esses escândalos crescem como erva daninha.

O que realmente espanta-me e causa-me repulsão é o comportamento leviano da Rede Globo de Televisão, que utiliza de estratégias mesquinhas e antiéticas com o objetivo de derrubar o Presidente do Brasil. Aliás, não é de hoje que a Rede Globo, mergulhada em esquemas de corrupção, arquiteta a queda de um  presidente da República Federativa do Brasil. Ela já armou contra   Fernando Collor e Dilma Roussef e, agora, desesperadamente, está fazendo de tudo para derrubar, também, o presidente Jair Messias Bolsonaro e, com tal finalidade, a emissora faz do telejornalismo um campo de guerra contra o Presidente do Brasil, usando a pandemia da COVID-19 e seus efeitos devastadores (principalmente na economia e na saúde pública) para desgastar a imagem do chefe da nação brasileira perante a opinião pública.

Com isso, seus telejornais, antes de qualidade e muito bem conceituados, foram transformados em palcos de críticas contundentes, fake news, agressões e deboches contra o Governo Federal, objetivando provocar, antes do término do mandato (2022),  a queda do atual presidente. E percebe-se a pressa da Globo porque está doendo muito no bolso, esvaziaram-se suas contas bancárias, acabaram-se as benesses e as regalias governamentais porque, com a ascensão de Bolsonaro ao Palácio do Planalto, o tempo das vacas magras bateu à porta Global, que vem provendo muitas demissões e reduções salariais – numa crise dantesca nunca vivida antes.    

Para esses ataques odiosos cabe algumas justificativas: a perda da gigantesca fatia do bolo publicitário, cujos recursos somavam bilhões e bilhões de reais ao ano – o que só fazia fortalecer o império financeiro dos herdeiros de Roberto Marinho; a concessão pública da Rede Globo estará vencendo em 05 de outubro de 2022. E o presidente Jair Bolsonaro já sinalizou que não será renovada por meio de “ajeitado político” e “jeitinho brasileiro”, porém, somente se a Rede Globo atender todas as exigências legais.

Por ser acusada de envolvimento em esquemas de corrupção, não se sabe se, até a data de vencimento da concessão, a Rede Globo (com atinência às pessoas acusadas) terá condições de provar que não está envolvida nesses esquemas apontados (alguns deles) pelo doleiro Dario Messer, que foi preso em julho de 2019, e afirmou ao Ministério Público Federal do Rio de janeiro, em um acordo de delação premiada, que repassou quantias em dólares à família Marinho no início dos anos de 1990, apesar de os donos da Globo negarem essas acusações.

São estes dois os motivos principais que estão levando a Rede Globo ao grande desespero e, assim, direcionarem permanentes ataques ao presidente Bolsonaro que, segundo as pesquisas de opinião pública e as manifestações populares de ruas, tem enormes chances de ser reeleito para mais quatro anos de mandato, nas eleições de 2022.

Todavia, sobre a concessão publica da Rede Globo, um dos autores da Lei Geral de Telecomunicações, Sundfeld diz que “as concessões de radiodifusão têm a maior proteção jurídica que existe no Brasil.” Segundo ele, que é professor, a legislação foi desenhada de forma a resguardar a liberdade jornalística e de expressão.

Sobre este assunto, é muito importante esclarecer que, mesmo que o presidente decidisse pela não-renovação, isso dependeria de “aprovação de, no mínimo, dois quintos do Congresso Nacional, em votação nominal”, de acordo com a Constituição Federal.

Sendo assim, certamente, o medo da Rede Globo é porque sabe que o presidente Bolsonaro, no atual cenário político brasileiro, conta com a grande maioria do Congresso Nacional, que é formada por deputados federais e senadores.

O telejornalismo da Rede Globo já perdeu milhões de telespectadores – e perderá muito mais – porque tornou-se patético e sem a menor credibilidade, chegando a ser alvo de piadas e  memes nas redes sociais, a exemplo de um que diz: “Se tirar o presidente Bolsonaro e a Covid-19 do Jornal Nacional, só sobrará o Boa Noite dos apresentadores”.  E esta é a realidade de todos os telejornais da Globo, lamentavelmente, a ponto de estar sendo apelidada de “Globolixo”, devido às muitas baboseiras que fala.  Até quando a Rede Globo continuará provocando o terror pandêmico com finalidades politiqueira e econômica, não sabe. O que se sabe mesmo é que o desespero Global é imensurável.

 

Comentários

Escreva seu comentário
Nome E-mail Mensagem